Alternativa 104

Candiba Bahia
0:14
  • cover
    Alternativa 104

Pesquisadores descobrem maneira de reverter surdez em idosos

 Pesquisadores descobrem maneira de reverter surdez em idosos


Uma pesquisa realizada pela Universidade Northwestern, nos Estados Unidos, descobriu uma maneira de reverter a surdez em idosos que é associada ao envelhecimento.  

Os pesquisadores explicam que a perda auditiva é causada pela própria idade e pela exposição a ruídos durante a vida e até mesmo pelo uso de certos medicamentos. Atualmente, não existe nenhum tipo de tratamento capaz de tratar esse tipo de surdez.  

publicidade

Leia também!

O estudo liderado pelo professor Jaime Garcia-Anoveros descobriu um gene capaz de produzir células ciliadas – células receptoras auditivas – do ouvido interno ou externo. O processo de perda de audição envolver a mortes dessas células.  

“[O trabalho] fornecerá uma ferramenta anteriormente indisponível para fazer uma célula ciliada interna ou externa. Superamos um grande obstáculo”, declarou o pesquisador chefe em um comunicado.  

“Agora podemos descobrir como fazer células ciliadas especificamente internas ou externas e identificar por que as últimas são mais propensas a morrer e causar surdez.” 

Mulher idosa apontando para a própria orelha
Pesquisadores descobrem maneira de reverter surdez em idosos. Imagem: fizkes/Shutterstock

Pesquisa aponta que uso de celular pode aumentar risco de Alzheimer; entenda

Uma pesquisa publicada pela revista Current Alzheimer Research afirmou que o Alzheimer pode ser causado por exposição a pulsos eletromagnéticos, como aqueles que são emitidos pelo celular e wi-fi.

O estudo afirma que a exposição constante aos campos eletromagnéticos pode agravar ou desencadear o acúmulo de cálcio no cérebro. Diversas hipóteses apontam que o excesso de cálcio no cérebro afeta os neurônios e é uma das origens do Alzheimer.  

“Os campos agem através de picos elétricos e de forças magnéticas que variam no tempo em uma escala de tempo de nanossegundos. Qualquer um deles pode desencadear a doença de Alzheimer de início extremamente precoce”, aponta a pesquisa. 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!





FONTE: OLHAR DIGITAL