Alternativa 104

Candiba Bahia
0:14
  • cover
    Alternativa 104

Consumidor consegue sair do vermelho?

 Consumidor consegue sair do vermelho?


Consumidor consegue sair do vermelho? Inflação nas alturas, e as contas que não fecham: em mais um recorde, 77,7% das famílias brasileiras afirmam que fecharam o mês com dívidas a vencer, e três em cada dez atrasaram as contas em abril. Os dados são da pesquisa mensal da Confederação Nacional do Comércio de Bens e Turismo (CNC), e alcançaram o maior nível desde janeiro de 2010, quando começou a série histórica da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic). Em abril de 2021, a proporção de endividados era de 67,5%.

A pesquisa também mostrou que o endividamento aumentou tanto entre as famílias que têm renda de até dez salários mínimos mensais (R$ 12.120), quanto as que passam dessa marca. Para o segundo grupo, o percentual das famílias com dívidas a vencer é ainda maior, chegando a 78,6%, dez pontos percentuais acima do registrado no ano passado. Já para aquelas com renda acima, a proporção de endividados está mais acelerada, em 74,5%, com alta de 11,4 pontos percentuais no ano.

“A inflação alta, persistente e disseminada (IPCA em 11,3% ao ano), mantém elevadas as necessidades de crédito para recomposição da renda, fazendo com que as famílias encontrem nos recursos de terceiros uma saída para manter seu nível de consumo”, analisa a CNC no estudo.

Já o número de inadimplentes — aqueles com contas ou dívidas já em atraso — também bateu recorde, atingindo 28,6% das famílias, índice 4,3 pontos acima do apurado em 2021, e 10,9% das famílias declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso, permanecendo inadimplentes.

Cartão de crédito pode ser vilão do orçamento

O cartão de crédito encabeça a lista de débitos a vencer e foi a única despesa que cresceu durante o mês, alcançando 88,8% das famílias. A segunda principal modalidade são os carnês de loja, com 18,2%, seguidos por financiamento de carro (11,2%), crédito pessoal (9,4%) e financiamento de casa (8,3%).

— É preciso compreender que o limite disponibilizado no cartão é um recurso virtual que vai ter um custo alto, se não for usado adequadamente. É o maior vilão do orçamento, mas é um produto que sabendo usar pode dar muitas facilidades para as famílias. O aconselhável é ter um ou dois no máximo, e que a pessoa organize o orçamento e peça, por exemplo, a redução do limite, para que seja compativel com a renda e o padrão de vida — analisa Rosi Ferruzzi, planejadora financeira da Planejar.

A falta de planejamento e os imprevistos acabaram enrolando as finanças da estudante de Psicologia Nathalia Nassif, de 25 anos. Moradora de Coelho Neto, na Zona Norte do Rio, ela se endividou após fazer um empréstimo em seu nome para a mãe, que não conseguiu quitar os valores, e a dívida chegou a R$ 50 mil.

A situação piorou ainda mais em novembro, depois que Nathalia sofreu um grave acidente de carro, e ficou em coma por 20 dias. Mesmo afastada das aulas enquanto se recuperava, as faturas da faculdade particular não pararam de chegar, e o débito acumulou em R$ 2.500.

— Ainda tenho R$ 3 mil do cartão de crédito para pagar. A minha prioridade é resolver o débito da faculdade. Fiz um acordo para resolver o empréstimo pela Serasa, e o valor caiu de R$ 50 mil para mil reais. O cartão também quero renegociar e parcelar para conseguir pagar — diz.

Para quem já está em atraso e entrou nos juros rotativos do cartão de crédito, vale renegociar o que está devendo. As taxas de juros e as condições variam de acordo com a instituição financeira, mas a orientação geral, mesmo para quem já está no vermelho, é que o planejamento deve ser palavra de ordem:

— Como o cartão é uma divida cara, é preciso pensar numa estrategia para ir liquidando aos poucos o débito em atraso. A estratégia de quitação tem que ser muito bem pautada para que as pessoas possam otimizar as oportunidades. O ideal é conseguir guardar algum recurso antes de tentar quitar, montar uma reserva de segurança para então buscar a renegociação — explica Ferruzzi.

Quem não conseguir quitar de uma vez o que está em atraso pode também optar pelo parcelamento. Já os empréstimos para quitar outras dívidas só são válidos, segundo a especialista, se os juros forem menores do que os dos débitos atuais:

— Parcelar por ser uma saída porque dá um certo fôlego, já que vai caber no bolso naquele momento, mas se fizer só isso e não cortar o mal pela raiz, cortando por exemplo consumo por impulso de coisas desnecessárias no momento, quando conseguir pagar tudo que estava em débito, pode estar endividado novamente. E se já estiver com o nome negativado, o débito acaba indo para a Serasa. Então, a pessoa terá condições de pagar menos, aproveitando os descontos dos feirões de renegociação, por exemplo – afirma a especialista.

Veja abaixo o passo a passo e as condições de renegociação de dívidas em outras empresas:

Concessionárias

Light

O consumidor com débitos atrasados pode acessar os canais de atendimento virtuais da Light (Agência Virtual e a Lia, representante virtual da companhia, por meio do número 21-99981-6059) para negociar suas dívidas, com parcelamento, inclusive no cartão de crédito.

A concessionária de energia faz o parcelamento para clientes com, pelo menos, duas faturas vencidas. As condições de parcelamento variam de acordo com a situação de cada cliente, e cada caso é analisado individualmente.

De acordo com a empresa, todas as equipes de campo têm a maquininha de cartão de crédito, em que é possível fazer o pagamento com cartão de débito ou crédito nas visitas de negociação ou no momento do corte

Enel

O cliente pode negociar a dívida com a empresa em até dez vezes (10% entrada + nove parcelas, com cobrança de encargos e 1% de juros de financiamento). O atendimento pode ser acontecer nas lojas (veja lista) da Enel, ou pelo site, pelo aplicativo Enel Rio (disponível na App Store e Google Play) ou pelo telefone 0800-280-0120.

Águas do Rio

Águas de Niterói

Em comemoração ao Dia das Mães, a Águas de Niterói oferece condições especiais a partir de quinta-feira, dia 5, como isenção de juros, multa e taxa da religação para o cliente que optar pelo pagamento à vista. Em caso de parcelamento, é oferecido um valor de entrada reduzido e maior flexibilidade no número de parcelas.

O consumidor que quiser negociar os débitos com a concessionária pode entrar em contato através do link “Quero Negociar”, no site www.aguasdeniteroi.com.br, ou entrar em contato pelos canais de atendimento via WhatsApp ((21) 97211-8064), 0800-723-1222 ou presencialmente na loja de atendimento (Rua Cel. Gomes Machado 118, Centro de Niterói).

Cedae

A Cedae tem três canais para renegociação de dívidas: a agência virtual, a central telefônica (telefone 0800-202-1195 ou 0800-282-3059 para pessoas com deficiência auditiva ou de fala) e as agências de atendimento nos municípios onde a companhia faz o faturamento da água.

Pelas agências de atendimento ou pelo telefone, podem ser parceladas dívidas contraídas em qualquer período. O valor do débito pode ser parcelado em até 24 vezes, com entrada de, no mínimo, uma parcela e, no máximo, 15% do débito total. O valor é acrescido de multa de 2% e atualizado pela UFIR (Unidade Fiscal de Referência), assim como as parcelas atualizáveis.

Para solicitar o parcelamento, é preciso estar com a conta de água ou a matrícula do imóvel na Cedae; e-mail e telefone para contato; cópias autenticadas do RG e CPF (se o solicitante for pessoa física); cópia autenticada do cartão do CNPJ e/ou Inscrição Estadual e cópia do contrato social (se for pessoa jurídica).

Já na agência virtual, a renegociação está limitada às dívidas contraídas durante o período da pandemia de Covid 19 (a partir da medição 03/2020). O valor devido pode ser parcelado em quatro, seis, oito ou dez vezes, sem multa e atualização monetária, com o pagamento de 15% de entrada. Para solicitar, é preciso preencher formulário virtual informando matrícula, CPF/CNPJ do titular, nome do solicitante, e-mail e telefone.

A companhia também participa do Projeto Expressinho, do Tribunal de Justiça do Estado do Rio, que funciona como mutirão de concicliação (clique aqui).

Naturgy

As dívidas podem ser parceladas em até 12 vezes. Para isso, basta acessar o site da empresa e clicar em “Parcele suas dívidas”. Pelo portal, é possível fazer simulações e realizar o parcelamento on-line. Não é necessário pagar entrada e a primeira parcela é cobrada direto na conta de gás. O objetivo, segundo a companhia, é facilitar a quitação do débito e evitar que o fornecimento de gás seja suspenso. As condições não são válidas para quem já tem uma negociação em aberto.

Claro

O consumidores podem consultar condições e taxas pela central de atendimento da operadora (1052), ou pelos aplicativos Minha Claro (móvel) e Minha Claro Residencial. O pagamento dos débitos com mais de 45 dias de atraso pode ser à vista ou parcelado, através de boleto bancário ou cartão de crédito.

Vivo

As orientações e o passo a passo para quem precisa negociar débitos em atraso, inclusive parcelas atrasadas, estão no site da companhia.

Feirão Limpa Nome – Serasa

Os eventos presenciais do Feirão Limpa Nome de 2022 terminaram no fim de março, mas quem está endividado pode renegociar os débitos pelos canais digitais da Serasa. É possível negociar dívidas negativadas ou contas atrasadas (não negativadas).

Para verificar as ofertas disponíveis por CPF, basta consultar as oportunidades de renegociação pelo site feiraolimpanome.com.br, pelo aplicativo Serasa (gratuito no Google Play e App Store), pelo telefone 0800-591-1222 ou pelo WhatsApp (11) 99575-2096.

O consumidor não precisa estar negativado, e os descontos podem chegar a até 99% do valor do débito. Segundo a Serasa, são mais de cem empresas, entre bancos, financeiras, securitizadoras, companhias de telefonia, varejo, universidades e outros, com 62,9 milhões de ofertas por até mil reais. É possível negociar em até 12 vezes, e o nome fica limpo já na primeira parcela paga.

Outra opção é ir presencialmente até uma das unidades da Serasa. Na cidade do Rio, o escritório fica na Rua da Assembleia 10, sala 2.613, no Centro. O atendimento acontece de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.

Bancos e instituições financeiras

O Mutirão Nacional de Negociação de Dívidas e Orientação Financeira da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) também acabou no fim de março, mas consumidores podem renegociar dívidas diretamente com a instituição financeira ou registrar a sua reclamação no site consumidor.gov.br.

De acordo com a Febraban, no site mutirao.febraban.org.br o consumidor tem acesso a conteúdo desenvolvido especificamente para que possa planejar o seu orçamento, trocar uma dívida mais cara por outra mais barata, fazer cursos e receber sugestões voltadas à sua educação financeira, que é fundamental para que consiga evitar o endividamento de risco, tenha mais informações sobre produtos e serviços bancários e melhore sua saúde financeira. Fonte Extra









Fonte: R7