Alternativa 104

Candiba Bahia
0:14
  • cover
    Alternativa 104

Xixi na cama pode indicar problema de saúde; veja como prevenir e tratar

 Xixi na cama pode indicar problema de saúde; veja como prevenir e tratar


*Este texto foi escrito com base em informações de agências e autoridades sanitárias, hospitais e especialistas em saúde. Se você ou alguém que você conhece possui algum dos sintomas descritos aqui, nossa sugestão é que um médico seja procurado o quanto antes.

Fazer xixi na cama está entre os problemas urinários mais comuns durante a infância. No Brasil, estima-se que um em cada dez jovens de até 17 anos sofram do problema. Conhecida como incontinência urinária noturna ou enurese, ela é parte normal do desenvolvimento infantil.

Entretanto, espera-se que, a partir dos 5 a criança comece a controlar melhor a bexiga. Em casos nos quais não há essa melhora, o castigo nunca é a solução. Veja a seguir as dicas de como prevenir e buscar tratamento adequado.

Xixi na cama é normal entre crianças (Fonte: Shutterstock)Xixi na cama é normal entre crianças (Fonte: Shutterstock)Fonte:  Shutterstock 

A enurese noturna é o tipo mais comum do distúrbio de perda de controle da bexiga. Essa incapacidade de conter o xixi é comum em crianças mais jovens, até os 5 anos, que ainda estão se desenvolvendo.

Estima-se que 7% dos meninos e 3% das meninas de 5 anos têm incontinência noturna. O número tende a cair conforme a idade avança, chegando a 3% dos rapazes e 2% das moças com 10 anos de idade. Poucos levam a situação até a adolescência.

Se o quadro persiste além dessa idade, é o caso de buscar um diagnóstico. Existem muitos fatores que podem provocar a condição, que incluem até influência da carga genética dos pais sobre os filhos.

Se o problema persistir além dos 5 anos, é o caso de buscar um médico (Fonte: Shutterstock)Se o problema persistir além dos 5 anos, é o caso de buscar um médico (Fonte: Shutterstock)Fonte:  Shutterstock 

Além disso, a incontinência pode ser resultado de uma bexiga pequena ou o indicativo de infecções no trato urinário. Também pode estar relacionada com um ambiente estressante ou com transtornos de desenvolvimento.

O xixi na cama é o sintoma mais característico da doença, mas para caracterizar o problema ele deve ocorrer repetidas vezes. Alguns especialistas apontam que a frequência de duas vezes na semana por três meses seguidos é um intervalo preocupante.

A enurese pode ser prevenida?

Existem medidas que podem diminuir a frequência do xixi na cama e ajudar a prevenir a enurese. Estimular que o filho urine mais vezes durante o dia é um deles, por exemplo. Além disso, adotar intervalos entre o jantar e a hora de dormir pode ajuda.

Evitar o consumo de líquidos durante a noite, ou de alimentos com muito sal, que dão sede e ajudam o organismo a reter água, também é uma medida eficiente. Levar a criança ao banheiro antes de ir deitar também é um comportamento favorável.

Mesmo com essas medidas, nem todos os casos de enurese podem ser prevenidos, especialmente aqueles causados por problemas na anatomia. Por isso é importante que a criança seja avaliada por um pediatra ao primeiro sinal de sintomas persistentes.

O que fazer em caso de suspeita de problema de saúde?

O diagnóstico deve ser dado por um pediatra, que irá realizar um levantamento do histórico familiar da criança e um exame físico para descartar outros distúrbios que possam estar influenciando a perda do xixi.

Para isso, podem ser feitos exames laboratoriais, principalmente para tentar identificar possíveis infecções urinárias que o jovem esteja sofrendo. Além disso, açúcar no sangue, hormônios e função renal também podem ser medidos.

O médico também tem de avaliar possíveis medicações que podem ter a incontinência como efeito colateral. Só quando descartados os problemas de saúde que podem causá-la, o diagnóstico de enurese é dado.

Castigar os filhos nunca é a solução, o tratamento deve ser escolhido com ajuda profissional (Fonte: Shutterstock)Castigar os filhos nunca é a solução, o tratamento deve ser escolhido com ajuda profissional (Fonte: Shutterstock)Fonte:  Shutterstock 

Uma vez identificado o quadro clínico, o tratamento pode ser iniciado. Apesar disso, o especialista pode optar pela não-intervenção, porque a enurese faz parte do desenvolvimento e é normalmente superada pela criança no crescimento.

Se o pediatra escolher pelo tratamento, podem ser adotadas intervenções comportamentais, que sozinhas solucionam mais da metade dos casos. Elas incluem:

  • Terapia motivacional: fornecer recompensas para o jovem à medida que ele melhora no controle da própria bexiga;
  • Exercitar a bexiga: fixar horários regulares para ir ao banheiro em intervalos cada vez mais longos ajuda a criança a aprender a segurar o xixi e exercita a bexiga;
  • Alarmes: estudos que indicam que usar um sistema que toca sempre que a cama fica molhada é eficaz no tratamento, com a menor taxa de recaída entre todas as estratégias usadas atualmente;

Existem medicamentos, para casos mais graves, que podem ser empregados. Acetato de desmopressina (DDAVP) e imipramina são fármacos ajudam a reduzir a quantidade de xixi produzida pelos rins ou aumentam a capacidade da bexiga.

O xixi na cama, ou enurese, é um problema de incontinência urinária normal, que passa pelo desenvolvimento infantil. Quando persiste após os 5 anos, é o caso de buscar a avaliação de especialistas para descartar outras doenças e, às vezes, adotar um tratamento para garantir a cama sequinha e uma noite de sono tranquila.



Fonte: R7

AllEscortAllEscort