Alternativa 104

Candiba Bahia
0:14
  • cover
    Alternativa 104

A doença rara que obriga Rafael Nadal a jogar com pé anestesiado | Saúde

 A doença rara que obriga Rafael Nadal a jogar com pé anestesiado | Saúde


“É óbvio que, nas circunstâncias em que estou, não posso continuar jogando.”

Esta foi uma das declarações poderosas de Rafael Nadal após ser coroado campeão de Roland Garros no domingo, um torneio no qual ele conseguiu triunfar apesar de ter jogado com um pé completamente anestesiado.

O tenista espanhol de 36 anos recebeu várias injeções durante a competição, na qual conquistou seu 22º título de Grand Slam.

No entanto, ele disse que não quer continuar jogando se continuar precisando de anestesia para anular a dor que sente de um problema crônico no pé esquerdo.

Mas que problema Nadal tem exatamente em seu pé e como ele pode corrigi-lo?

Tenista Rafael Nadal conquista pela 14ª vez o título de Roland Garros

Tenista Rafael Nadal conquista pela 14ª vez o título de Roland Garros

Síndrome de Mueller-Weiss

O 14 vezes campeão de Roland Garros sofre de uma condição conhecida como Síndrome de Mueller-Weiss.

Esta é uma condição degenerativa rara que afeta um dos ossos do pé, e isso explica por que ele foi visto mancando no Masters de Roma (anteriormente conhecido como Aberto da Itália) 10 dias antes de Roland Garros começar.

A síndrome afeta o osso navicular (também chamado de escafoide tarsal do pé), um osso pequeno que faz parte do tarso e tem 6 faces.

Este osso recebe várias pressões, e por razões desconhecidas, perde a vascularização – ou seja, o fluxo sanguíneo – e isso produz episódios de necrose que enfraquecem o osso.

Nos casos mais graves e em “pessoas que colocam muita pressão no pé, o osso se desintegrará, achatará, pode se fragmentar e se transformar em osteoartrite”, disse à AFP Didier Mainard, presidente da associação francesa de cirurgia no pé e diretor de cirurgia ortopédica na Hopital Nancy, na França.

Em suma, o problema desgasta o osso e produz dor intensa na parte de trás do pé.

A síndrome pode afetar um ou ambos os pés, e geralmente é sofrida por mais mulheres do que homens, entre 40 e 60 anos.

Nadal começou a mostrar os primeiros sintomas em 2005, durante o torneio de Masters em Madri, e mais tarde, após uma série de testes, foi diagnosticado com a síndrome, com a qual tem lidado desde então.

Tenho jogado com injeções para entorpecer meu pé e é por isso que tenho sido capaz de jogar por essas duas semanas“, disse Nadal após vencer o norueguês Casper Ruud por 6-3, 6-3, 6-0 no domingo.

“Eu não tenho ternura no pé, porque meu médico foi capaz de colocar injeções anestésicos nos nervos. Isso elimina a sensação no pé.”

Ele acrescentou: “Eu vou estar em Wimbledon se meu corpo estiver pronto para estar em Wimbledon. É só isso. Wimbledon não é um torneio que eu quero perder. Acho que ninguém quer perder Wimbledon. Eu amo Wimbledon.”

“Se eu sou capaz de jogar com anti-inflamatórios? Sim. De brincar com injeções de anestésicos, não. Eu não quero me colocar de volta nessa posição.”

O tratamento depende muito de cada paciente e do grau de progressão da condição.

Em casos mais leves, o repouso, bem como o uso de palmilhas ortopédicas podem ajudar a diminuir a dor.

Tratamentos com anti-inflamatórios ou infiltrações também são utilizados, e quando o estado está muito avançado e o osso tem sinais de desintegração, a cirurgia é necessária.

Nadal disse que em breve receberá ablação por radiofrequência — terapia que usa calor no nervo para aliviar a dor — mas terá que considerar a cirurgia se o tratamento não for suficiente.

“Se isso funcionar, eu vou seguir em frente. Mas se não funcionar, então será outra história”, disse ele no domingo.

Segundo o tenista, ele agora tem que considerar se está pronto para fazer uma grande cirurgia que não garante que ele possa competir novamente.

Injeções como ‘única chance’ de Nadal jogar em Paris

No ano passado, Nadal temia que sua carreira acabasse por causa da condição e que precisasse interromper a temporada do ano passado, ficando fora do Wimbledon e do US Open, para lidar com o problema.

Uma fratura por estresse na costela também o fez perder dois meses da temporada logo após sua 21ª vitória no Aberto da Austrália.

“Como todos sabem no mundo do tênis, minha preparação não foi a ideal, mas Roland Garros é Roland Garros. Todo mundo sabe o quanto este torneio significa para mim, então eu queria continuar tentando”, disse.

Falando em quadra, Nadal disse que nunca pensou que ainda estaria competindo no mais alto nível em sua idade.

“Nunca acreditei que estaria aqui aos 36 anos, jogando na quadra mais importante da minha carreira mais uma vez em uma final”, acrescentou.

“Eu não sei o que pode acontecer no futuro, mas eu vou continuar lutando para tentar continuar.”

‘O que Nadal conseguiu é sobre-humano’

Dois dias após seu 36º aniversário, Nadal conquistou títulos consecutivos pela primeira vez desde 2010 – quando venceu o Aberto da França, Wimbledon e US Open.

“Começar o ano vencendo o Aberto da Austrália e o Aberto da França, já foi surpreendente”, disse o ex-número um britânico Greg Rusedski, que estava trabalhando como analista da BBC Radio 5 Live durante a final de domingo.

“Na minha geração, qualquer coisa acima de 30 era tempo de bônus e se você ganhasse um Slam acima de 30, era um grande feito. Agora parece comum por causa de Nadal, [Roger] Federer e [Novak] Djokovic.”

“Quando vimos Nadal entrar em cena em 2005, quando ganhou pela primeira vez, a maioria de nós pensou que ele seria aposentado aos 27 ou 28 anos com a fisicalidade com que joga. Nós não pensamos que ele seria capaz de alcançar o que ele conseguiu. O que ele conseguiu é sobre-humano.”

“Nunca veremos ninguém em nossa vida alcançar o que ele conseguiu em uma quadra de barro. Não é possível.”



Fonte G1

AllEscortAllEscort